INIMIGO SECRETO

É dos meus defeitos
aqueles que não percebo
Que ninguém me conta
Mas contam
Que tenho muito medo

É estranho isso: poder passar uma vida inteira morando na mesma casa e nunca ser apresentado ao seu maior inimigo.

Anúncios

AVENIDA

Gente que vai pro céu,
bala que vem perdida,
abismos aparecendo
em plena avenida.

Torres que vão crescendo,
galhos que vão caindo,
acidentes acontecendo
em plena avenida.

Pneus que vão queimando,
protestos que vão surgindo,
palhaços se matando
em plena avenida.

Radares que vão multando,
crianças que vão pedindo,
semáforos piscando
em plena avenida.

Asfalto que vai crescendo,
calçada que vai sumindo,
um corpo apodrecendo
em plena avenida.

PARÁBOLA

Toda a psicodelia que o tédio de um sábado nublado é capaz de produzir numa pessoa. A história da trajetória de um pigarro.

PARÁBOLA
Enquanto os carros
quebram lá fora,
da janela do meu quarto
escarro o pigarro
da poeira que outrora,
morava aqui dentro
e agora,
vôa feliz para o mundo.

Enquanto os prédios
caem lá fora,
da janela do meu carro
escarro o pigarro
da poeira que outrora
morava aqui dentro
e agora,
vôa feliz para o mundo.

CENSURADAS

Rabiscos de capas de discos censuradas e politicamente incorretas, feitos com marcador permanente direto no sulfite.

Inspirado (quase copiado, dependendo do ponto de vista), na maior cara de pau, em desenhos de capas de álbuns clássicos de artistas pop feitos pelo cartunista/pintor Adao Iturrusgarai (tomara que ele me perdoe).

cesurado_84

Van Halen – 1984 (LP)

cesurado_iron

Iron Maiden – sanctuary (single)

cesurado_celtic

Celtic Frost – To Mega Therion (LP)

cesurado_virgin

Scorpions – Virgin Killer (LP)

cesurado_appetite

Gun N ‘ Roses – Appetite for destruction (LP)

SÓ UMA LETRA PUNK FORA DE MODA

Não faço parte da cena
Não concordo com esquema
Não quero me ajoelhar

Não obedeço vocês
que não vivem sem rei
Aqui não da pra ficar

Não acredito no papo
já tô cansado e sem saco
não quero mais explicar

Só quero ficar lá fora
não vejo a hora, ir embora
talvez possa me curar

Da loucura que a censura
da fofura que contamina o mundo
e me faz regurgitar

SOLDADO

Cópia de vcsc_fuzil_scarpini

vcsc_fuzil2_scarpini

vcsc_fuzil3_scarpini

Mouse+Illustrator

(*)Ilustração para o texto de Victor Gabriel Rodriguez, publicado no jornal Carta Forense.

http://www.cartaforense.com.br/conteudo/colunas/sete-razoes-para-a-descriminalizacao-das-drogas/17738

Soldado (tráfico de drogas) – é o indivíduo responsável pela defesa e ataque bélicos. Está sempre armado e pronto para participar de qualquer confronto. Tem salário fixo e trabalha em esquema de plantões.

Fonte: G1

​DELÍRIO GEEK TUPINIQUIM

Eu queria ter os poderes do Charles Xavier para fazer uma varredura no cérebro dessa galera do poder aqui no Brasil e revelar de uma vez por todas, de forma absolutamente inquestionável, a verdade sobre essas patifarias que fazem conosco. Gostaria de saber quais seriam os efeitos na sociedade diante da absoluta certeza das coisas.

Duro seria a recuperação do trauma e a escolha de algum caminho realmente novo depois da hecatombe.

Algumas amizades poderiam se refazer também, mas não seriam todas. Para alguns casos, nem com os poderes do melhor amigo do Magneto se consegue a paz.

TOC

Eu vejo marcas em toda parte.

São restos mortais de parágrafos nervosos que partiram para guerra.

Digitais esculpidas na gordura das películas acrílicas que protegem a tela do vidro especial dos retângulos espertos, grudados na mão de cada humano que o meu olho alcança.

Resíduos analógicos, tão efêmeros quanto o capricho dos seus donos e as suas flanelinhas entupidas de produtos químicos que deixam tudo limpinho. 

Rastros curtos deixados por polegares hiperativos, cheios de razão e ódio, obediência e ingenuidade.

Também vejo marcas de histórias de amor e sabedoria.

São poucas.

Mas estão lá, no meio de todos aqueles caracteres rabugentos que na realidade pedem socorro.

PLOC!

E se tivesse dado certo?
Aquele primeiro emprego, aquela primeira banda, aquele primeiro beijo, como seria?

Não teria dado certo.

Se fosse outra pessoa, no mesmo percurso, talvez.

Acertar o alvo nunca foi a especialidade da casa, ser o alvo, praticamente, uma vocação.

Não por falta de esforço.

O cachorro quando sai atrás da própria calda, faz muito esforço.

Sempre me espantei com a quantidade absurda de sonhos que o desejo é capaz de soprar aqui dentro.

Bolhas de sabão que nunca ou quase nunca estouram, mas me mantém em movimento.

Canino.

Quase sempre.

Enquanto não chega o grande dia.

DEMO ZEN

Essas músicas foram gravadas a mais de 15 anos, em um estúdio – ou quase isso – no abc paulista, não lembro de mais nada.
Fui a convite do meu amigo e grande músico, Adriano Grineberg.
Gravamos 5 músicas mas só consegui recuperar, com alguma qualidade, essas duas: Mãe dos sonhos e Bela vida.
Não houve ensaio, os arranjos foram improvisados na hora e as seções de gravação foram separadas, possibilitando o registro de mais de um instrumento por músico.

Músicas e ficha técnica:

MÃE DOS SONHOS
Chico Scarpini: Voz, violão, arranjos e composição
Adriano Grineberg: Baixo, metalofone, percussão(milidanga), backing vocals e arranjos

BELA VIDA
Chico Scarpini: Voz, violão, arranjos e composição
Adriano Grineberg: Metalofone, backing vocals e arranjos